sexta-feira, 29 de junho de 2007

Delírio nas quatro estações...

Feito açoite rasgar o véu de tua noite
e
Irromper-te com os raios de meu dia

Penetrando-te em profundo
com com toda força, cede e euforia

Beijar-te doce em dia quente,
puxar teus cabelos, morder-te os lábios
e penetrar-te brusco em noite fria

Invadir com minha língua teu sexo
sentir teu sabor aos poucos...
com teus lábios e língua e dentes no entorno de meu corpo


E já findando a primavera
pintar-te eternizando-te em gravura
com um pincel retirado de teus cabelos
teu sangue no tinteiro
e após confeccionada a moldura
fazer de tua pele minha tela com tua indescritível textura

Comer-te no Verão

No outono devorar-te

Aninhar-te no inverno

Ao regressar da primavera
matar-te ao matar-me de gozo e tesão


E daí por diante durante o ano inteiro
matar a minha fome
alimentando-me de teu gozo e teu cheiro

Fábio Che

Um comentário:

thais disse...

" se queres sentir a felicidade de amar,esquece a tua alma,
a alma é que estraga o amor.
só em deus ela pode encontrar satisfação.
não noutra alma.
só em deus ou fora do mundo.

[as almas são incomunicáveis]

deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
porque os corpos se entendem, mas as almas não."

(manuel bandeira)