quinta-feira, 5 de julho de 2007

Vôos metálicos


E a relidade era cega

em meio ao escuro tateávamos
enquanto borboletas metalicas

rangiam suas assas reluzentes

Ensimesmadas...

Auto-(in)suficiente caminha va

o novo velho ser decadente

acompanhando a disonante-estridencia

da singular canção da solidão,

inerente ao homem de nosso tempo

entre os detritos da bestialidade

Nos esgotos dos sentimentos humanos

O unico alento, era saber das coisas o seu movimento...

Um comentário:

thais disse...

" habitar o tempo

1
para não matar seu tempo, imaginou:
vivê-lo enquanto ele ocorre, ao vivo;
no instante finíssimo em que ocorre,
em ponta de agulha e porém acessível;
viver seu tempo: para o que ir viver
num deserto literal ou de alpendres;
em ermos, que não distraiam de viver
a agulha de um só instante, plenamente.
plenamente: vivendo-o de dentro dele;
habitá-lo, na agulha de cada instante,
em cada agulha instante: e habitar nele
tudo o que habitar cede ao habitante.

2
e de volta de ir habitar seu tempo:
ele corre vazio, o tal tempo ao vivo;
e como além de vazio, transparente,
o instante a habitar passa invisível
portanto: para não matá-lo, matá-lo;
matar o tempo, enchendo-o de coisas;
em vez do deserto, ir viver nas ruas
onde o enchem e o matam as pessoas;
pois como o tempo ocorre transparente
e só ganha corpo e cor com seu miolo
(o que não passou do que lhe passou)
para habitá-lo: só no passado, morto."

(joão cabral de melo neto in: a educação pela pedra)

eu gosto desse poeta, não sei se tu gosta (nem adianta se falasse que não gosta, pois meu tcc foi sobre... e eu tirei 10 rsrsrs)
bjuss